Contato

Contato

Telefone: +49 721 986610

E-mail: info@sitema.de

SITEMA GmbH & Co. KG
G.-Braun-Straße 13, 76187 Karlsruhe Alemanha

Are you from the US?

Sid
Sid

"Sid" explica

Siga-me ao mundo dos cabeçotes de fixação

A história
do cabeçote de fixação

  1. Início
  2. Empresa
  3. História

Melhorar a segurança

A história do cabeçote de fixação está estreitamente ligada a duas pessoas:
Dr. Erich Schmalenbach e Adolf Rastetter.

Tudo começou em 1979. Naquela época, Adolf Rastetter trabalhava como autônomo, fazendo trabalhos de manutenção em elevadores hidráulicos. Abalado por um trágico acidente ocorrido nos Estados Unidos, ele decidiu melhorar a segurança dos elevadores hidráulicos.

Até então, a carga ficava sobre a coluna de óleo de um cilindro hidráulico localizado diretamente abaixo da cabine e que a movia para cima. O elevador caiu devido a uma ruptura dos cabos ou falha das válvulas.

O Sr. Rastetter imaginou que, se conseguisse conduzir as elevadas forças exercidas pelo peso da cabine do elevador para a carcaça do cilindro hidráulico, o elevador poderia ficar apoiado sobre a carcaça estável e, assim, estaria protegido contra uma queda.

A trava de segurança do pistão

Ao procurar por uma solução, ele teve uma ideia brilhante: da mesma forma que um lutador usa a energia e o próprio peso do oponente, a energia da massa a ser fixada deve ser usada para gerar as forças necessárias. Um sistema de fixação autorreforçado, que é retido pelo engate por fricção na barra do pistão do cilindro, fixa a carga pressionando o sistema de fixação que, desta forma, se contrai. Com isso, a força de retenção na barra aumentaria à medida que a energia da carga do elevador aumentasse.

E ele conseguiu, com base neste princípio, construir os primeiros protótipos e apresentá-los à TÜV, que é a responsável pela segurança dos elevadores. Os testes de aceitação necessários foram aprovados com sucesso. Estas foram as primeiras "travas de segurança do pistão", como ainda são denominadas na terminologia da indústria de elevadores.

O cabeçote de fixação e o nascimento da SITEMA

e foi o primeiro passo. No entanto, para que a tecnologia tivesse sucesso comercial e uma empresa de sucesso pudesse ser construída, outros passos deveriam ser dados: a busca por outros campos de aplicação promissores, a estruturação sistemática de uma gama abrangente de produtos, a elaboração de princípios teóricos, a organização da produção e muito mais.
Adolf Rastetter finalmente encontrou no Dr. Erich Schmalenbach o parceiro ideal para seguir em frente. Sua experiência nas áreas de construção e desenvolvimento permitiu a Erich Schmalenbach colocar essas e outras ideias no papel e também em prática. Para ele, era importante idealizar um conceito de marketing e de um nome para o produto mais atraente que se adequasse a todas as aplicações. Foi assim que nasceu o "cabeçote de fixação" como um termo genérico para as travas de segurança do pistão, proteções antiqueda, dispositivos de retenção de segurança e muito mais. O nome da empresa fundada por eles também diz tudo: SITEMA significa SIcherheitsTEchnik im MAschinenbau (em português: tecnologia de segurança em engenharia mecânica).

Em busca de um mercado

Apesar das boas ideias e da tecnologia funcional, o sucesso foi limitado no início. Os fabricantes de elevadores obviamente procuraram não depender da SITEMA e, desde então, têm implementado muitas outras medidas de segurança que, de um ponto de vista objetivo, também garantem em conjunto um nível suficientemente elevado de segurança contra acidentes causados por avarias do dispositivo de elevação hidráulico.

Por este motivo, as "travas de segurança do pistão" não se tornaram um negócio "viável" para a SITEMA e, com exceção de projetos individuais, continuaram sendo um produto de nicho.
Assim, por exemplo, um elevador hidráulico no Bundeshaus (complexo de edifícios que serviu como Parlamento Provisório da Alemanha Ocidental) em Bonn foi equipado com uma trava de segurança do pistão. Neste caso, pretendia-se que o elevador estivesse sempre disponível com a porta aberta no último andar para que fosse possível acessá-lo diretamente do gabinete do Presidente do Bundestag sem que fosse necessário esperar. Isso só era possível e, sobretudo, permitido mediante uso de uma proteção antiqueda mecânica.

No entanto, a sobrevivência da SITEMA dependia, acima de tudo, da descoberta de outras aplicações para cabeçotes de fixação.

Estreia na engenharia mecânica

O avanço da tecnologia SITEMA ocorreu no campo das prensas hidráulicas. Todas as prensas que não são muito pequenas devem ter, de acordo com a norma EN 693 (atualmente ISO 16092), um dispositivo de retenção acionado mecanicamente montado permanentemente ou integrado na prensa para garantir que o êmbolo pesado da prensa não caia. Em comparação com outras soluções técnicas conhecidas, o cabeçote de fixação da SITEMA oferece inúmeras vantagens como proteção antiqueda. Entre outras coisas, ele pode funcionar continuamente em qualquer ponto e até ser ativado enquanto se move. O cabeçote de fixação oferece proteção contra sobrecarga, também trava em caso de falha de energia, é seguro contra acionamento acidental e muito mais.

Estas características técnicas também convenceram a associação profissional responsável pela segurança da prensa (hoje a Associação de Empresas de Seguros contra Acidentes da Alemanha - Deutsche Gesetzliche Unfallversicherung, DGUV) que aprovou oficialmente a proteção antiqueda da SITEMA como dispositivo de retenção. O primeiro certificado foi emitido em 1984, e a DGUV continua certificando regularmente que seus altos requisitos (que estão entre os mais rigorosos da engenharia mecânica alemã) sejam atendidos pelas proteções antiqueda, freios de segurança e unidades de fixação da SITEMA.

Estabelecendo padrões de segurança

A grande confiança da DGUV nas proteções antiqueda da SITEMA foi rapidamente apreciada por clientes em todo o mundo. Assim, clientes de outras áreas da engenharia mecânica também recorreram à SITEMA para fixar suas cargas elevadas. Outras aplicações exigiam outras tecnologias e, portanto, logo surgiu o grupo de produtos de "dispositivos de bloqueio", fixando cargas em movimento lento ou estacionárias. Por exemplo, plataformas elevatórias para salas de teatro ou mesas elevatórias. Os dispositivos de bloqueio também utilizaram a tecnologia de autorreforço única no mundo.

À medida que aumentavam também os pedidos por fixações com posicionamento preciso, como, por exemplo, para contrapressão em processos de produção, a empresa também desenvolveu rapidamente, com o grupo de produtos "Unidades de fixação", cabeçotes de fixação acionados por mola que podem suportar forças precisamente posicionadas em ambas as direções. Com o passar do tempo, outras séries foram desenvolvidas para aplicações externas, adequadas para a forma construtiva de cilindros padrão, para máquinas-ferramentas e, por último, também outras séries aprovadas pelo Lloyd's Register e pela DGUV.

Outras aplicações

Desde meados da década de 2000, as consultas de fabricantes de sistemas de automação aumentaram drasticamente. Neste campo, a demanda por cabeçotes de fixação pneumáticos para fixar cargas menores também aumentou com a tecnologia de autorreforço comprovada. Devido aos cursos mais curtos e movimentos mais rápidos que costumam existir na automação, o desafio neste caso foi obter "cursos de tração" menores do que com a proteção antiqueda. A SITEMA respondeu com o novo grupo de produtos "Freios de segurança", que também recebeu rapidamente a aprovação da DGUV.

Mas as boas ideias da SITEMA não se limitaram somente à fixação de cargas e contrapressão. Com o PowerStroke, a SITEMA oferece um tipo de cilindro de curso curto. Este cabeçote de fixação é fixado em uma determinada posição em uma barra redonda e pode pressionar ou puxar com grande força até 20 mm. Essa tecnologia é usada sempre que grandes e rápidos deslocamentos são necessários e a força do processo real somente é necessária em um curso curto, como é o caso, por exemplo, ao fechar ou reter um molde em máquinas de moldagem por injeção ou prensas de moldagem. Contudo, esses cabeçotes de fixação também são adequados para processos de união, sistemas de modelagem ou bancadas de teste. Em suma, onde quer que a separação do curso rápido e do curso potente seja recomendada para construir máquinas mais compactas que requeiram significativamente menos energia do que as máquinas de série convencional.

O que o futuro reserva?

Esta grande variedade de diferentes cabeçotes de fixação pode ser encontrada em qualquer lugar onde movimentos lineares tenham que ser fixados, travados ou acionados com força. Eles não se limitam às aplicações originais em engenharia mecânica, como prensas hidráulicas, máquinas-ferramentas, aplicações com cilindros pneumáticos ou hidráulicos, portais, paletizadores, bancadas de teste, sistemas de automação etc. Também inclui sistemas como teleféricos, britadores de carvão, pisos de piscina reguláveis ou mesmo pontes. Você pode encontrar muitos outros exemplos na seção Aplicações do nosso site.

A história do cabeçote de fixação não termina aqui. A SITEMA está constantemente pesquisando novas tecnologias, não apenas para melhorar permanentemente os produtos existentes, mas também para desenvolver novos cabeçotes de fixação que as máquinas do futuro necessitarão.